Sexta, 21 Julho 2017 09:46

Contagem sedia Encontro Regional de Polícia Comunitária

Escrito por

Durante toda esta terça-feira, 18.07, profissionais de segurança e sociedade civil estão reunidos no 39º Batalhão de Polícia Militar, em Contagem, Região Metropolitana de Belo Horizonte, no segundo Encontro Regional de Polícia Comunitária promovido pela Secretaria de Estado de Segurança Pública (Sesp), por meio da Escola Integrada de Segurança Pública (Eisp). Serão realizados encontros em todas as regiões do Estado, com o objetivo de capacitar até 1.800 pessoas nos próximos meses.

O objetivo é trocar experiências desenvolvidas hoje pela Polícia Civil, Corpo de Bombeiros, Polícia Militar e também pela Sesp e elucidar o conceito de polícia comunitária, que passou a ser mais difundido depois da década de 90, quando os trabalhos das forças de segurança focaram também na aproximação da comunidade, de forma participativa. Durante a abertura do evento o superintendente de Integração e Planejamento Operacional da Sesp, Odilon Couto, lembrou que em 1988 a Polícia Militar iniciou um projeto de policiamento distrital, um embrião do que poderia ser feito para envolver a comunidade na busca de uma solução dos problemas de segurança.

“Depois desse projeto, lembro-me que em 1993 foram elaboradas as Diretrizes de Planejamento Operacional, com 14 pressupostos, que já sinalizava que sem a participação social o poder público por si só não ia vencer a criminalidade cada vez mais organizada”, disse. 

 

Já o coronel da PM Mauro Alves, ressaltou que em meados da década de 40, a polícia formava seus soldados para a guerra. “Falar em Polícia Militar colaborativa e parceira era impensável naquela época. No final da década de 80 o cenário mudou vertiginosamente. Com a PM próxima ao cidadão, há a promoção da paz. Precisamos somar esforços para colocar o nosso país onde ele não poderia ter saído”, disse o coronel.

Como exemplos de proximidade entre a atuação policial e a sociedade, a tenente da PM Andrea Cristina Guimarães listou alguns dos projetos que funcionam na 2ª Região de Polícia Militar e dão bons resultados. É o caso da rede de vizinhos protegidos; rede de empresas, bancos e comerciantes protegidos; projeto carga segura; projeto vibrante mirim; patrulha social; celular seguro; teatro interativo túnel das drogas e Programa Educacional de Resistência às Drogas (Proerd). Segundo a tenente, a mobilização da comunidade e o reestabelecimento da confiança do cidadão no trabalho policial é fundamental para que esses projetos sigam adiante e deem resultados.

 

O delegado da Polícia Civil, Álvaro Homero, corrobora com a afirmação de que sem a participação da comunidade fica mais difícil se fazer segurança pública. “Todas as informações que temos vem da comunidade. Por mais que tenhamos outros aparelhamentos, a essência vem da comunidade. É da comunidade que vem as informações e as testemunhas. O aprimoramento do estudo de polícia comunitária passa a ser de suma importância”, disse.

Na primeira palestra do dia, que conceituou o termo polícia comunitária, o tenente do Corpo de Bombeiros Militar, Fábio Gomes Silva, também apresentou projetos que aproximam a corporação da comunidade e permite o estabelecimento de vínculos importantes para o trabalho operacional. Dentre os projetos estão o curso de natação, aberto à população, que atende 8 mil pessoas por ano e tem duração de quatro meses, com aulas três vez por semana, nos turnos da manhã e da tarde. “Além de ensinarmos uma prática esportiva, evitamos que muitas crianças e jovens fiquem na rua, sem algum propósito”, disse o bombeiro militar.  

Lido 607 vezes
Entre para postar comentários

ACESSOS RÁPIDOS

                  

AMAF MG

AMAF MG
Associação Movimento Agentes Fortes de Minas Gerais

Presidente: Julio Costa

ÚLTIMOS POSTS

NEWSLETTER

Assine a newsletter da AMAF e receba em seu email as principais notícias do Sistema Prisional de Minas Gerais

Console de depuração do Joomla!

Sessão

Informação do perfil

Memória Utilizada

Consultas ao banco